Árvores plantadas em Santos serão catalogadas na internet

14 de junho de 2016 |Nenhum Comentário
Em Santos, há atualmente cerca de 30 mil árvores plantadas (Foto: Divulgação/Câmara de Santos)

Agora é lei. Dentro de dois anos, todas as árvores plantadas em Santos deverão estar catalogadas em um sistema na internet. A nova legislação, de autoria do vereador Sadao Nakai, foi publicada na última quinta-feira (2). Com o cadastro, que inclui, entre outras informações, o estado de saúde do vegetal e sua espécie, o Município tornará mais transparente o manejo das plantações, evitando dúvidas da população, principalmente sobre a necessidade de poda e remoção.

O cadastro, conforme a Prefeitura de Santos, ficará a cargo da Secretaria de Meio Ambiental e da Universidade Católica de Santos (UniSantos). Um termo de cooperação entre as partes deverá ser assinado até o final de julho.

Após este período, técnicos da Semam treinarão as equipes, compostas por universitários, para dar início ao levantamento em campo, previsto para começar em setembro ou outubro deste ano.

Conforme a Administração Municipal, com base no contrato de poda existente atualmente, estima-se que Santos concentre cerca de 30 mil árvores, número esse que será definido após o início dos trabalhos.

Há na Cidade pelo menos 118 diferentes espécies. As mais numerosas são chapéu de sol, ingá, acácia, alecrim, aroeira, embiruçu, ficus, flamboyant, ipês, jambolão, manacá, pata de vaca, quaresmeira e saboneteira. Entre os bairros mais arborizados estão o Embaré e a Aparecida.

Apesar da aprovação da nova legislação, a Semam já tem mapeadas as árvores plantadas em praças do Município e escolas. Conforme o levantamento, as praças concentram 3.113 árvores de 116 espécies, das quais 63% exóticas (originárias de outros países), 37% nativas do Brasil e, destas, 25% oriundas da Mata Atlântica. Nas escolas são 1.818 árvores, de 124 espécies, sendo 24% nativas e 76% exóticas.

A previsão da Semam é que o levantamento de campo e a publicação dos dados, em parceria com a UniSantos, sejam finalizados em até dois anos.

Categorias: Meio Ambiente, Notícias de Santos, Novidades, Santos